Dom Severino Clasen é nomeado arcebispo de Maringá: ‘Eu nunca disse não para a Igreja, e se a Igreja me chama, é minha obrigação ir’

Catequese em Família inicia reflexão sobre os sete sacramentos
1 de julho de 2020
Programa Viver a Fé em tempos de distanciamento social aborda “Economia e o cuidado com a vida”
3 de julho de 2020

Dom Severino Clasen é nomeado arcebispo de Maringá: ‘Eu nunca disse não para a Igreja, e se a Igreja me chama, é minha obrigação ir’

 Após nove anos de caminhada na Diocese de Caçador, Dom Frei Severino Clasen encerra sua missão pastoral para assumir outro compromisso, agora como arcebispo da Arquidiocese de Maringá/PR. A nomeação assinada pelo papa Francisco e que também é uma conquista para Dom Severino, foi publicada nesta quarta-feira, 1° de julho.

A Arquidiocese de Maringá estava vacante desde o pedido de renúncia de Dom Anuar Battisti, em novembro de 2019. Dom Severino comemorou no dia 25 de junho, o aniversário de 15 anos de sua ordenação episcopal. Com 66 anos de idade, o agora arcebispo de Maringá, era o presidente do Regional Sul 4 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Em uma conversa com a imprensa através do Facebook, Dom Severino falou de seus aprendizados na Diocese de Caçador, os quais irá levar para sua nova casa, e de suas expectativas para o novo desafio.

“Eu vivo em um momento de muita alegria aqui na Diocese de Caçador e no Regional Sul 4. Tenho recebido inúmeras manifestações de carinho, de apoio e de agradecimento por tudo o que temos feito e vivenciado aqui na região. Inclusive eu estava muito seguro de que não seria transferido tão rápido”, disse Dom Severino.

Ele conta que recebeu a notícia no dia 16 de junho, através de telefonema do núncio e que manteve em sigilo pontifical até o momento da sua nomeação. “Foi uma situação muito estranha não poder falar nada, mas ao mesmo tempo aceitei com alegria, porque de imediato eu falei para o núncio: ‘Eu nunca disse não para a Igreja, e se a Igreja me chama, é minha obrigação ir’. Por outro lado, sou muito grato ao clero da Diocese de Caçador, porque há pouco tempo fizemos um grande número de transferências e todos os padres aceitaram. Por isso tudo, eu aceitei com alegria, já que faz parte do conjunto daquilo que é a Igreja, a nossa Igreja como mãe, para sempre anunciarmos a alegria do Evangelho”, relata.

O bispo destaca que quando assumiu a Diocese de Caçador encontrou algumas dificuldades, mas que através de um trabalho em conjunto com todas as camadas da sociedade, foi possível desenvolver as ações, dar os passos que a diocese necessitava. “Vivo uma fase na minha vida de muita serenidade, de muita convicção e um momento de espiritualidade bem definida, como também rumos pastorais bem definidos. O que mais me deixa feliz é ver um clero bom, um clero jovem, que trabalha. Mas também os leigos, o povo dessa diocese é um povo maravilhoso. É isso que encanta e dá ânimo. Essa junção de um povo bom e um clero que assumiu a proposta. Assim, conseguimos caminhar em Caçador nesses nove anos”, declara.

Legado

Para Dom Severino, uma das conquistas mais marcantes para a diocese, nesses anos de bispado, foi a nova proposta da Iniciação à Vida Cristã. “Quando fui perguntado sobre o que eu achava sobre a Iniciação à Vida Cristã, com relação aos sacramentos, respondi: eu não quero remendos, quero aquilo que é original, sempre temos que voltar às fontes, inclusive na ordem dos sacramentos. As 25 paróquias assumiram e estamos implantando esse novo formato, que é um dos únicos, se não for o único no país. Primeiro com o Batismo, depois o Crisma, para chegarmos à festa da Eucaristia. Para isso, produzimos um material de ponta, juntamente com a colaboração de mais de 40 leigos e leigas. Então, acho que esse é um dos legados que deixo”.

Aprendizado e expectativas

Sobre o que leva de aprendizado, Dom Severino enfatiza “saber viver e contornar conflitos, ter paciência, aprender a caminhar com calma, mesmo diante dos obstáculos, ter cautela para dar respostas mais maduras, foi assim que conquistei a diocese, foi assim que conquistei o clero, foi assim que conquistei o Regional. É no silêncio que Deus fala, Deus não fala no barulho, mas na brisa suave. Essa é a grande lição que vou levar agora para uma arquidiocese com 90 padres. Precisamos saber trabalhar com isso, juntamente com centenas de lideranças, onde temos a responsabilidade de conduzir a comunhão, a proximidade, a serenidade e fazer com que todos se sintam participantes e importantes no processo”.

O processo de nomeação de um novo bispo

Com relação ao futuro da diocese e o processo de nomeação de um novo bispo, Dom Severino explica que a partir do momento que sua nomeação foi publicada, já não é mais o Bispo Diocesano, mas segue como administrador da diocese, até tomar posse em Maringá. “Quando eu assumir lá, cessam minhas funções aqui. Aí o Colégio de Consultores que é formado por um grupo de sete padres, escolherá o nome de um padre para que se torne o administrador diocesano, aquele que vai assumir o lugar do bispo, para que o povo não deixe de ser atendido, até quando um novo bispo for nomeado”, explica.

Dom Severino informa ainda que no dia 9 de julho estará em Maringá, onde se encontrará com todo o clero para uma reunião. “Acredito que em meados de agosto já estarei assumindo por lá”.

Mensagem ao clero e ao povo

“É importante que a gente possa deixar essa amizade, essa alegria, essa consciência, essa maturidade de um povo, de um clero que fez muito bem para mim. Eu amadureci no meu ministério graças ao clero e ao povo de Caçador. É isso que levo com muito carinho. A diocese de Caçador tem uma história bonita. A vida continua porque temos bons líderes e quem tem um bom líder não cai”.

Biografia de Dom Severino

Dom frei Severino é filho de Joana Petry e Ereneu Clasen. Tem três irmãos e quatro irmãs, sendo duas delas religiosas da Congregação Franciscanas de São José. Ingressou no seminário menor em 1968, em Ituporanga (SC). Tornou-se franciscano ao ingressar na Província da Imaculada em janeiro de 1976. Fez os estudos de Filosofia e Teologia no Instituto Teológico de Petrópolis (RJ) e foi ordenado sacerdote em 10 de julho de 1982.

Foi nomeado bispo para a Diocese de Araçuaí (MG), em 11 de maio de 2005.  Aos 50 anos, Frei Severino foi o primeiro bispo nomeado pelo Papa Bento XVI e foi o décimo-segundo frade da Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil a se tornar bispo. Foi sagrado bispo pelas mãos de dom Lorenzo Baldisseri, núncio apostólico no Brasil, no dia 25 de junho de 2005, em Ituporanga (SC), sua cidade natal. O início do seu ministério episcopal aconteceu no dia 10 de julho de 2005, em Araçuaí (MG). Seu lema episcopal é “Acolher e cuidar”. No dia 6 de julho de 2011, o Papa Bento XVI o transferiu para a Diocese de Caçador (SC). Dom Severino foi empossado no dia 4 de setembro de 2011.

No dia 11 de maio de 2011 foi eleito Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para o Laicato da CNBB, onde permaneceu até 2019. A frente da Comissão, dom frei Severino deixou um grande legado como a publicação do Documento 105 da CNBB – Cristãos Leigos e Leigas na Igreja e na Sociedade e a instituição do Ano Nacional do Laicato em 2018.

Em maio de 2019, dom frei Severino foi eleito o ‎9º presidente do Regional Sul 4 da CNBB onde colaborou com o processo de construção e aprovação das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja em Santa Catarina 2020-2023.

Assista a entrevista completa:

Entrevista Dom Severino Clasen

Dom Severino Clasen falará sobre sua nomeação para a Arquidiocese de Maringá/PR.ASSISTA LOGO MAIS, ÀS 16H!

Publicado por Diocese De Caçador em Quarta-feira, 1 de julho de 2020

 

PASCOM

Diocese de Caçador

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X