Psicologia do Adolescente: “É necessário conhecer não somente as transformações do corpo, mas as transformações sociais”

Diocese de Caçador disponibiliza Jornal Fonte
25 de setembro de 2020
Celebração Dominical reflete sobre o mês missionário e a importância de um desenvolvimento ambiental sustentável e integral
28 de setembro de 2020

Psicologia do Adolescente: “É necessário conhecer não somente as transformações do corpo, mas as transformações sociais”

Ajudar na compreensão da fase da adolescência. Foi com esse propósito que o Programa Viver a Fé em tempos de distanciamento social, abordou na entrevista da última quarta-feira, dia 23 de setembro, o tema “Psicologia do Adolescente”.

A transmissão que contou com a assessoria da irmã Leni Monfardini, psicóloga e coordenadora da Catequese da Diocese de Chapecó e mediação do padre Edson De Bortoli, da Coordenação de Iniciação à Vida Cristã da Diocese de Caçador, possibilitou a participação e uma interação expressiva de famílias, jovens, catequizandos e catequistas para uma conversa importante sobre as relações dos adolescentes consigo mesmos, com outros jovens, com a comunidade e com Deus.

Durante a conversa, a irmã destacou o perfil do adolescente, como é compreendida a adolescência, com que idade acontece a adolescência, os diferentes tipos de adolescência, a identidade do adolescente, os aspectos psicológicos e os reflexos do isolamento social para os adolescentes, neste momento de pandemia.

Conforme a irmã, a adolescência compreende o período de evolução entre a criança e a idade adulta. “Nesse estágio é necessário conhecer não somente as transformações do corpo, mas as transformações sociais, culturais, psicológicas e antropológicas. Tudo isso influencia no jeito de ser e de viver do adolescente”.

Ela salientou que a adolescência é a fase em que a construção da identidade está mais em evidência. “Ela vai se construindo a partir da identificação com a família, porém, são acrescentadas identificações com os amigos, com a comunidade e com outros grupos. Aos poucos o adolescente vai definindo seus valores, suas ideias e suas opiniões acerca de si mesmo, acerca dos outros e acerca do mundo”, disse.

Nesta fase, a irmã acrescentou que é preciso muita paciência e muita compreensão. “Oferecer espaço para que o adolescente possa se integrar na comunidade. Se sentir cativado acolhido e envolvido”, concluiu.

Acesse o link e assista a entrevista completa:

https://www.facebook.com/diocesedecacador/videos/353734269006043

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X